Trinity Arts
Seja Bem Vindo.

Para poder ver nosso conteudo é nessessario se cadastrar.

Temos tutoriais de PhotoShop, Flash, DreamWeaver, Adobe Affter Effect's, Illustrator entre outros.
Trinity Arts


 
InícioPortalFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Kinect: o fim do joystick

Ir em baixo 
AutorMensagem
ĐΔƦƙƗŁŁ
Design Expert


Mensagens : 246
Data de inscrição : 28/11/2010
Idade : 22

MensagemAssunto: Kinect: o fim do joystick   22/1/2011, 18:47

Será que os jogadores estão prontos para interagir com seus jogos sem nenhum tipo de interface física? A Microsoft acha que sim.

Um sistema de detecção de movimento que dispensa controles físicos, simplifica a interação e ainda adiciona uma camada de interação completamente nova aos jogos. A promessa é monstruosa, mas é o que a Microsoft quer alcançar com o Kinect, o novo sistema de detecção de movimento lançado para o Xbox 360. Mas até onde os jogadores estão dispostos a ir para descobrir se essa é apenas uma mania passageira ou realmente um salto evolucionário na forma de jogar?

Quando começou no mundo dos consoles, a Microsoft foi recebida com muita desconfiança. Afinal, ela não tinha a mínima tradição em um cenário dominado por Nintendo e Sega. O Xbox original não fez tanto sucesso, mas foi um marco: além de usar um processador X86 (baseado no Pentium III), ele tinha um chip gráfico derivado das placas de vídeo dos PCs e vinha até com um HD interno, coisa impensável em 2001. Sem contar que a Microsoft conseguiu emplacar um jogo de tiro em primeira pessoa, Halo, que desde GoldenEye do Nintendo 64 nenhum console realmente havia conseguido.

Apesar da surra sentida que tomou do PlayStation 2, o Xbox original pavimentou o caminho para o Xbox 360. E há 5 anos, a Microsoft jogava suas fichas em um novo console.

Em 5 anos, muita coisa aconteceu. Além do surgimento dos concorrentes Wii e PS3, o Xbox 360 precisou enfrentar a desconfiança dos jogadores. Quem acreditou no primeiro Xbox estava receoso de investir em um console com pouca duração no mercado. E quem era fã da Nintendo e da Sony tinha resistência em jogar com um videogame feito pelo fabricante do Windows.

O que aconteceu foi um notável exemplo de evolução constante. Nesse período, a Microsoft fez inúmeras revisões no design interno do Xbox 360 (as primeiras levas deram muito defeito, coisa que não acontece mais hoje) e reinventou a interface do console algumas vezes, renovando a experiência de uso e adicionando funcionalidades e recursos.

Agora, com seu console firmemente arraigado no segundo lugar do mercado internacional (atrás do Wii e com alguma vantagem sobre o PS3), a Microsoft tomou impulso para tentar alcançar o topo do mercado.

A receita é simples: colocar em primeiro plano a diversão e a interatividade, deixando o mais transparente possível a tecnologia que faz essa interação acontecer.

O Kinect, que será lançado no brasil na segunda quinzena de novembro, é muito mais que uma câmera conectada ao console. É um sistema completo de interação, com detecção de gestos, comandos vocais (por enquanto apenas em inglês e espanhol) e até videofone.

Em vez de confiar em giroscópios, como faz o Wii, o Kinect analisa com suas câmeras o movimento do jogador, transferindo essa informação para dentro do jogo. Sem nenhum tipo de interface física, o jogador consegue literalmente entrar nos jogos, com um grau de resposta nunca experimentado.

O conceito de utilizar uma câmera para interagir com ambientes virtuais e jogos não é um negócio exatamente novo. A IBM mostra isso desde o começo de 1990. O próprio PlayStation 2 foi o pioneiro em colocar isso nos games, com o EyeToy. Essa geração de consoles também teve suas câmeras, uma praticamente inútil para o Xbox 360 e outra para o PS3. Mas nunca a resposta foi exatamente impressionante.

O Kinect é um salto para frente em relação ao o que a concorrência oferece. Ele é o resultado de toda a máquina de pesquisa da Microsoft focalizada em um esforço único. Toda a pesquisa e desenvolvimento em usabilidade que a empresa de Bill Gates acabou culminando nesse produto. E a mente criativa por trás do Kinect é o brasileiro Alex Kipman.

Apesar do nome aparentemente gringo, Kipman é daqui mesmo, da terrinha. E um belo dia, quando estava na casa da mãe, em Curitiba, ele teve um estalo: se em vez de controlar os games com um controle comum as pessoas pudessem usar o corpo todo? A ideia de Kipman era transcender o que o Wii fazia. E aí nasceu o projeto Natal, batizado em homenagem às praias nordestinas que encantam Kipman.

No Natal, depois rebatizado Kinect, a Microsoft fez a aposta mais audaciosa desde que lançou o Xbox 360. E ela trouxe Kipman em pessoa para o Brasil para demonstrar seu invento.



Falar com Kipman é um barato. Apesar de ter aquele verniz evangelizador característico da Microsoft (que nem é forçado, o povo que trabalha lá acredita de verdade, por isso carrega com tanto entusiasmo quando fala de um produto), dá para ver que ele realmente vê algo além do apertar de botões.

Em um bate papo informal, logo após essa demonstração, ele explicou que o grande objetivo é fazer com que a tecnologia fique invisível, intangível, que as coisas aconteçam naturalmente, como se fosse mágica. E com o Kinect, parece mágica mesmo.



E vale a pena investir os R$ 600 no acessório, que só funciona com o Xbox 360? Bem, isso vamos responder depois de testar os principais jogos. O que dá para falar com certeza é que é um negócio muito diferente do que os outros fabricantes oferecem. O Kinect não parece um brinquedo, muito pelo contrário.

Ele é uma câmera composta, que enxerga profundidade, vem equipado com microfones poderosos e ainda emite sua própria luz, infravermelha, para “sentir” o ambiente. Ah, ele ainda reconhece rostos, faz zoom automático e é motorizado, para manter as pessoas sempre enquadradas.

Impressiona muito ver o robozinho, com um quê de Hal 9000 seguindo você com os olhos. Vamos ver se os consumidores irão se impressionar também. Confira aqui no Zumo, depois do dia 18 de novembro, a análise do Kinect e dos primeiros jogos lançados para o sistema, além de vídeos comprometedores de nós testando os jogos. Até lá!

_________________________________________________

-Winner-
TBS # 2
TBS # 3
TBS # 4
GFX # 3
MNP # 2


- Equipe Trinity Arts estimulando seu desenvolvimento em design -

15/02/2011
17/12/2010
02/12/2010

Presentes
Spoiler:
 


Última edição por ĐΔƦƙƗŁŁ em 31/1/2011, 19:31, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
vinicinhu
Moderador
avatar

Mensagens : 485
Data de inscrição : 20/01/2011
Idade : 22

MensagemAssunto: Re: Kinect: o fim do joystick   31/1/2011, 18:23

È isso é bem legal mesmo mais é que o preço tambem aumenta nè ^^

Mais isso dai é só daqui uns anos vai demorar ainda se possivel isso vai dar muito oque falar

Parabens man

_________________________________________________
Equipe Trinity Arts



~>20/02/2011<~>Moderador<~
~>20/01/2011<~>Membro<~
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://trinityarts.forumeiros.com/profile?mode=editprofile
Hunter
Membro
avatar

Mensagens : 615
Data de inscrição : 28/11/2010
Idade : 28

MensagemAssunto: Re: Kinect: o fim do joystick   31/1/2011, 18:39

Obrigado por compartilhar!
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://trinityarts.forumeiros.com
● Brun0
Membro
avatar

Mensagens : 263
Data de inscrição : 28/11/2010
Idade : 22

MensagemAssunto: Re: Kinect: o fim do joystick   2/2/2011, 14:09

Eoo Ainda Conpro um Desse Pra Mim ! *-*
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Kinect: o fim do joystick   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Kinect: o fim do joystick
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Trinity Arts :: Bate Papo :: Games-
Ir para: